Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

"A vida em constante mudança..."

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

Qua | 23.11.16

O cheiro a Portugal...

Butterfly

A mãe, o pai, a avó, os tios, a prima. Os amigos. Os melhores amigos. Os cheiros, as vozes, a língua, o espírito, o céu azul... O sol. O cheiro do mar e a areia branca. A música. O rádio português. Os carros a apitarem. O orvalho a cair durante as madrugadas... E as saudades. A ansiedade que aumenta por cada vez estar mais perto do dia que vou sentir, tocar e (re)viver tudo isto que tanto é importante para mim. 

 

A mãe, o pai, a avó, os tios, a prima... Os amigos e os melhores amigos. Aqueles que sempre apoiam independentemente da decisão que tomo. Aqueles que sempre me encorajam para mais e melhor. Que me orientam quando eu me desoriento. Que me completam e ainda me agradecem por eu existir. "Meu Deus"... Sou mesmo uma sortudo por os ter. Quando estamos perto podemos sim dar valor aos que temos, mas quando existe uma distância física de 2000 km, descobrimos outro tipo de sensações e sentimentos que jamais pensaríamos existir. É incrível. Um simples correio, uma carta trocada e vinda de Portugal faz-me esboçar um sorriso. 

 Os cheiros, as vozes, a língua, o espírio, o céu azul...O sol. O cheiro do mar e a areia branca. A música. O rádio português. Os carros a apitarem. O meu Portugal. O Portugal que eu tanto adoro e tanto me faz revoltar pelas condições que oferece aos nossos jovens. O país que que acho que poderia ser perfeito para viver e de que tanto falo aos meus colegas, e que por sinal não percebem patavina do que eu tento expressar (a nível de sentimentos). Um lago não é a mesma coisa que um mar para tomar banho no verão. A areia branca cheia de conchinhas e pulgas do mar a saltitar, não é a mesma coisa que um lago com peixes para nos banharmos. Se serve? Sim, claro, mas o nosso oceano atlântico é o nosso oceano. É uma das minhas paixões. Sempre foi, e agora mais ainda. As vozes, a música e a língua portuguesa por todo o lado... Nos supermercados, nas ruas de calçada lisboeta... 

 

 Não existem palavras para descrever tudo aquilo que sinto quando penso nisto. A contar os dias para o meu avião aterrar no aeroporto. A contar os dias para abraçar as pessoas que mais amo e por viver tudo aquilo que me é importante. Porque a vida não é como queremos... É de esforços, mas também de compensações. E estar junto a eles, é sem dúvida a melhor benção que posso ter. 

Ver imagem original