Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

"A vida em constante mudança..."

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

Sex | 26.02.16

As cunhadas...

Butterfly

Tenho a sorte de poder afirmar que tenho uma cunhada às "direitas", amiga, fiel e muito humana. No entanto, nos últimos tempos também posso afirmar que a cunhada amiga está a transformar-se para "cunhada-amiga-cunhada-cunhada" (eh eh eh, não sei se me faço entender). Sei que posso contar com ela no que precisar, sei que é daquelas pessoas que me quer ver feliz, mas... Parece que anda a ficar implicativa. Estamos numa conversa normalíssima, e ela vem com aquelas bocas que só fazem parecer que tem ciúmes de nós com o meu irmão. E se dizemos "sim", é porque dizemos "sim". E se dizemos "não", é porque dizemos "não". Se nos calamos, é porque estamos calados. Irra! Deixo passar uma, passam duas, passam três, mas confesso que já se está a tornar difícil. E de uma coisa, não me posso esquecer: Sempre gostei de lhes dar espaço, mas não posso esquecer que o filho dela também é meu sobrinho. Também tenho os meus direitos! Para quê tanta coisa?! Ser-se tão piquinhas?! Leva-nos a algum lado da felicidade?! Na minha opinião, não. Só tenho vontade de dizer que se está a esquecer que só nos vemos 3 a 4 vezes por ano... É normal que queiramos passar o máximo de tempo possível. E assim como eu tento dar-lhe espaço, também ela nos devia de dar. Mas isso não, não acontece. E se eu fosse de complicações, em muitas situações já lhe tinha respondido. Mas preferi o silêncio (não sei até quando). A minha família é muito calma (até demais), sempre se calou a muita coisa para não gerar confusão, e por vezes acho que isso traz o excesso de confiança. Neste caso, está a esquecer-se que nos pode magooar... A mim tudo bem, finjo que nada foi, mas custa-me pensar que minha mãe pode estar triste por isso. Afinal o filho dela, é um neto. Afinal o filho dela, só está connosco 3/4 vezes por ano, e não há necessidade nenhuma de separar as águas. Afinal, somos apenas uma família.

4 comentários

Comentar post