Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

"A vida em constante mudança..."

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

Qui | 18.04.13

Chateada com Portugal | Sonhos Proibidos

Butterfly

Sinto-me cansada deste país. Cansada de me esforçar, de lutar e o retorno que tenho enquanto jovem trabalhadora e formada é estar constantemente em estado de desemprego. Ou melhor, 6 meses com emprego, 7 ou 8 sem. Isto, na melhor das hipóteses. Ganhamos um mísero ordenado, aquele que não está propriamente estipulado por lei para licenciados e mesmo assim somos mal pagos. Siiim, temos que ter paciência, sim, não podemos desanimar nem perder a esperança. Mas passados alguns anos após licenciatura, e alguns tempos neste podre ciclo vicioso, não há quem consiga estar sempre com um sorriso sincero de felicidade. Não me consigo sentir feliz ou realizada sem trabalho. Acordar e não ter nada que fazer é um cúmulo, é uma forma de vida que nunca fez parte dos meus príncipios nem da minha educação. Mas é para isto que o Estado Português tanto anuncia e propõe cursos atrás de cursos??! (falo daqueles cursos para a vida activa, por ex.) Cursos para o desemprego?! Cursos só para dizerem que as pessoas estão ocupadas, que são formadas, que não são analfabetas?! Que somos um país em que a taxa de analfabetismo é muito inferior aos restantes da UE? Sim, sim, somos um país muito bem formado tanto em qualificações como a nível profissional. Basta para isso dizer que quando nos dirigimos a uma entidade estatal estamos toda uma manhã para sermos atendidos e quando o somos, é com maus modos. Basta para isso dizer, que há entidades que fazem 2 horas de almoço, passam minutos às portas da empresa a fumar cigarros desalmadamente e fazem ar de chateados se entramos para sermos atendidos. Para não falar naquelas almas que trabalham há anos em certas empresas, usam carros da empresa para se deslocarem, e se for do seu apetecimento, vão se esconder a descansar. SIM, ISTO ACONTECE. E depois ouvimos as pessoas queixarem-se "que isto está mau". Sim, está mau. Está mau mas é para quem quer realmente trabalhar, esforçamo-nos por um pequeno lugar, mal jantamos, não conseguimos fazer pausa, e no fim do mês...no fim do mês ficam-nos a dever

Ter | 16.04.13

O ano dos Casamentos...

Butterfly


Pois é. Parece que este ano, todos decidiram dar o nó, terem o seu dia de casamento. Pelo menos podia dividir o mal pelas aldeias, e dar mais espaço entre cada um dos casamentos. Mas não. Felizmente nunca tenho muitos casamentos, mas este ano... Já vão ser três. Buah! Um por cada mês - Junho, Julho, Agosto! Ui, isto é dose. E, quando é o casamento de uma amiga - Sim, amiga no verdadeiro sentido da palavra - é porreiro. Gostamos de acompanhar, divertimo-nos, e sentimo-nos felizes por ela. Agora, quando são casamentos, apenas de conhecidos...A história é outra. Um deles tudo bem. Eramos amigas de infância, crescemos juntas, e terei todo o gosto de acomapanhar, apesar de que com o nosso crescimento, adolescência e a passagem para a vida adulta nos tenhamos afastado... Quanto aos outros dois...É muito mau senti-lo e dizê-lo, mas terei que ir uma vez que foi o namorado que foi convidado, e ele quer mesmo ir. Ainda assim, os convidados dos 3 casamentos são todos os mesmos! Dá para acreditar?! E o dinheiro que é investido para isto?! Sim, porque há a prenda... Não fica bem levar a mesma roupa, e depois...depois é daquele tipo de pessoa que em tudo repara. "Convém levar um bonito vestidinho"...Entendem? Ai...não sei se sou eu que estou a ficar com mau feitio...A verdade é que como as pessoas são de um meio pequeno, funciona assim. E eu...eu não tenho grande paciência para esse tipo de coisas. Infelizmente, não consigo sentir estes 3 casamentos da mesma forma que senti, por exemplo, o casamento de uma das minhas amigas.

Ah! E a somar a  tudo isto... Os pais dos noivos vêm com aquelas conversas do tipo: "Então e tu?! Quando casas??" Como se por uns se casarem, os outros também têm de o fazer...E depois ainda me olham como se eu fosse uma extraterrestre...Oh valha-me Deus! Lol...Haja paciência!

 

 


Sex | 12.04.13

Quando nos pedem para ficar, e nós temos de ir.

Butterfly

Custa. Custa muito. Especialmente se até gostamos de lá estar, se nos sentimos bem com as pessoas. 

Neste caso, penso que a atitude a tomar era mesmo esta. Não tinha hipótese. Demorei a decidir. Tinha algo na minha cabeça, talvez como uma balança, que se contrapunham 2 lados: Gosto do que faço, sinto-me bem. Mas se não me pagam um mês, dois meses, como conseguem pagar 3,4 e assim sucessivamente...? Optei por vir embora. Mais complicado fica quando já temos a decisão tomada, e nos pedem impiedosamente para ficar, para não abandonar o barco. Foi a primeira vez que passei por isso. Confesso que ficou mais dificil de prosseguir com a minha decisão. Mas pela primeira vez, tenho de pensar primeiro em mim. Alguém me disse: "Não estejas assim, fecha-se uma janela, abre-se uma porta". Esperamos que sim.

 E assim foi...Amanhã será o meu último dia.


Sab | 06.04.13

Lamentações

Butterfly

Acho que niguém gosta. Felizmente, ao longo da vida tenho conseguido passar ao lado dessas tais pessoas, e saber como lidar com elas. Tal como a minha querida mãe diz, tenho uma “espécie de radar”, que raramente me faz enganar em relação a determinadas pessoas. Porém, penso que chegou o momento em que me é impossível fugir pelo menos de uma determinada pessoa, pois tenho de lidar com ela todos os dias. Não está a ser nada fácil. E para que possa manter um bom ambiente enquanto estamos em sociedade, tenho de agir naturalmente, sem dar grande confiança, falar apenas o que tenho a falar e ponto final. Por momentos cheguei a pensar: “Beeeeeeem, mas estarei eu também a ficar assim?!” Não. Não estou. Tal como disse, tento apenas manter  um ambiente razoável, para que as coisas lá no local se passem de forma corrente. Não faço risinhos, não me chego para essa pessoa, não preciso estar sempre a ligar-lhe ou a chamá-la. A falar disto e daquilo da minha vida pessoal. Caso contrário seria igual. Mas ai…é tão complicado. Felizmente sei que o problema não é meu. É uma pessoa conhecida por isso mesmo.

Mas lamento. Lamento por termos que agir assim – Sempre com uma mão à frente e outra atrás. Lamento por não podermos confiar em algumas pessoas. Por as pessoas serem más e invejosas. Irrita-me quando chegam e dão um gracioso “Bom dia” a um colega, e 1 minuto depois estão a dizer mal dessa mesma pessoa. Lamento pessoas sem moral. Enfim… 

Ou melhor, vivendo com alguém a tentar iludir-nos, NÃO. 

Comigo não.

Qua | 03.04.13

Caminhos a trilhar...Decisões a tomar.

Butterfly

No meu caso, ainda posso optar por um dos dois caminhos.

Mas qual o mais acertado? Qual a seguir?

Ou deixo-me levar, continuo nesta maré, tento fazer justiça e fico igual à injusta situação dos outros...Ou... Dou um salto dali, tento fazer justiça, e parto para outra...?! Sem que deixe mais arrastar esta situção.

Ter | 02.04.13

Curiosidades dos clientes

Butterfly

Há dias, por uma situação que me aconteceu durante o trabalho, dei por mim a pensar nos tipos de cliente que fui encontrando ao longo dos poucos anos da minha experiência profissional hoteleira. Realmente são muitos e variados. Mas...vou partilhar convosco alguns tipos. Mais informo que não estou a generalizar, que não são todas as pessoas que se enquadram neste tipo de cliente. 


Cliente Dr. - Aquele tipo de cliente que pensa sempre que é superior a tudo e todos. Que nós, somos apenas uma peça na empresa, assim! Sem grande valor... 

 

Cliente Gay - Aqui temos 2 vertentes: O cliente que se faz acompanhar por alguém do mesmo sexo, que pede cama de casal, e no fim, quando é hora de check-out está sozinho e fala-nos do seu acompanhante tratando-o por "colega". E depois temos o outro cliente gay que é um mimo, muito simpático, age naturalmente, e tudo corre bem.


Cliente apanhado nas curvas - É aquele tipo de cliente, que quer esconder tanto uma determinada situação que acaba por dar ainda mais nas vistas. Mente mente mente... "ah e tal...eu viajo muito, fico em vários hoteis...o vosso é só mais um" (e depois durante a conversa verifica-se exactamente o contrário); "ah e tal...vamos já pagar porque amanha saímos muito cedo" ; "ah...nós não queremos ir áquele restaurante dessa cidade porque..." (porque na verdade são da zona e não querem ser vistos)... 

 

Cliente Galanteador - Uiiii... Este é complicado. Olha-nos como se nos quizesse penetrar a alma...ehehe. Usa tanto perfume que deixa todo o lobby com o cheiro! É sempre necessário uma linguagem cuidada, mas com estes...é necessário o dobro do cuidado, para que não sejamos mal-interpretadas!

 

Cliente inventor - Não gosto destes...Respeito mas não me sinto à vontade. Inventam tudo e mais alguma coisa para a menina da recepção ou a dos andares, ir ao quarto, enquanto está de toalha à cintura etc. Por favor! Se querem outro tipo de coisas, não estão a falar com as pessoas mais certas para o dito efeito!

 

Cliente Compreensivo - Aqueles que quando nos ligam para recepção, agradecem mil vezes a mesma coisa, terminando a chamada sempre com um "obrigadinha". Mas são uns amores, convenhamos.

 

Cliente que reclama por tudo - Txiiiiiii... Este apareceu há bem pouco tempo. Acha-se muito intelectual, muito culto, sabe tudo e mais alguma coisa. Mal faz check-in já está a reclamar. Ok. Podemos até facilitar alguma coisa, mas cuuuuidado....porque ele vai passar assim a estadia na tentativa de utilizar os serviços sem pagar. Geralmente, este cliente paga logo o alojamento em acto de check-in, depois faz alguns consumos de bar, manda debitar ao quarto, e quando deveria pagar esses valores em check-out, decide fazer uma passagem directa para a porta. Isto é, sem pagar! Decididamente que a ideia inicial, era mesmo essa! Dá-me nervooosss...

 

Cliente-colega hotelaria - Ás vezes são mesmo os mais complicados. Como estão dentro da área reparam em tudo e mais alguma coisa. E se por acaso se tivermos o azar de alguma coisa correr menos bem... Já estamos tramados. O nosso hotel é o pior de todos! Confesso que, também sou um bocado assim. É impossível não ir a um hotel e não reparar no atendimento que me dão quando me dirijo à recepção, principalmente. 

 

Que ninguém se esqueça, que nós só fazemos o nosso trabalho, não queremos saber nada da vida pessoal de cada cliente! Cada pessoa tem a sua própria privacidade!!! São coisas que só ao cliente diz respeito, e a nós nada interessa, desde que não interfira com o nosso desempenho. Em determinadas situações, sou cega-muda-surda. Não quero saber! :)

Pág. 2/2