Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

"A vida em constante mudança..."

Desabafos de uma mulher dos anos 80...

Sex | 07.12.12

O amor pode ser verdadeiro mesmo quando não é eterno?

Butterfly

 Sim. E eu sou a prova viva disso.

 Para mim o amor verdadeiro é aquele que nasce após uma boa amizade, uma paixão, uma química até física. Depois disto, e há medida que o tempo passa, surge um pequeno compromisso que faz com que nasça um amor. Este amor vai crescendo consoante o tempo vai passando, e pode assentar em amizade, companheirismo, fidelidade, confiança, mistério, surpresa. O amor verdadeiro é aquele que é partilhado pelos 2. É dar o melhor de nós ao outro, sem julgar, sem dar para querer ter também. O amor verdadeiro ensinou-me a dar sem querer receber. Dar amor, carinho e amizade a alguém que amamos já é o suficiente para nos sentirmos felizes. No entanto, se juntarmos esse dar e receber é a melhor coisa que podemos ter com alguém. Quando se sente o amor verdadeiro só nos apetece estar com a pessoa. Podemos estar entre um grupo de 20 pessoas que por vezes basta um olhar entre os 2 que diz tudo. É uma química extraordinariamente boa.

 Se há medos? Há. Existe muito o medo de se perderem um ao outro. O medo de que esta relação que tanto nos traz a felicidade, termine. E é aqui que tem que existir um estado mais racional e maduro, para não saltarem a linha que divide o saudável do obsessivo.

 Se é difícil? Muito. Quando sentimos este tipo de amor, deixamos os sentimentos falarem mais alto, e perdemos o controlo da situação. O que inevitavelmente só vai prejudicar a tão valorizada relação.

 Mas… se é um amor verdadeiro porque não é eterno? Este amor é lindo e é algo que quem o sente, jamais o esquecerá.   

Porém, amar não chega. É duro dizê-lo. Mais duro senti-lo. Existem tantos outros factores, por vezes externos, que contribuem para o “não eterno”. O medo interior da perca, a obsessão, a separação física ou geográfica das partes, uma terceira pessoa que se coloque entre a relação… A revolta por a relação já não ser/estar como anteriormente.

Enfim… A vida ensinou-me que o verdadeiro amor existe mesmo, mas que pode não durar para todo o sempre, talvez como tantas vezes o disséramos à pessoa que mais amámos.


 Jamais o esquecerei.

Se a vida nos dá uma segunda oportunidade, isso não sei. Mas penso ser difícil. Se acontecer, não vou deixar fugir mais. É demasiado valioso.  

Ter | 04.12.12

Hoje foi dia...

Butterfly

De tratar da minha árvore de Natal! Agora sim...Mal entro em casa, já sinto o cheiro do Natal. As luzes tornam um ambiente ainda mais quentinho e acolhedor,  e a árvore traz-me recordações. 

(Com vaca ou sem vaca) Optei por não fazer o presépio. Caso o meu sobrinho estivesse junto a mim nesta época, teria me esforçado com toda a dedicação, mas infelizmente a vida nem sempre é como pretendemos.

Assim, confesso que não me apeteceu {#emotions_dlg.sad} 

Pág. 2/2